BUNDAFLOR, BUNDAMOR + TEMPOSTEPEGOQUEDELÍCIA

Os trabalhos fazem temporada em São Paulo no Teatro Sérgio Cardoso (Teatro da Dança – TD)

18 e 19 de agosto às 20h

BUNDAFLOR, BUNDAMOR

A obra discorre sobre a Bunda. Utilizamos como inspiração para a pesquisa coreográfica, textos do livro do historiador francês Jean Luc Henning, “A breve história das nádegas”. Bundaflor, Bundamor propõe um olhar diferenciado a essa parte do corpo humano, atentando para a sua constituição, o seu desenho e as suas possibilidades motoras. A bunda brasileira, formada graças à herança genética africana, é  massa carnal rebolante que mostra a nossa alegria mestiça, em algumas manifestações mais originais.

Eduardo Severino, Luciano Tavares, Mônica Dantas e bailarinas convidadas abordam com humor o imaginário brasileiro, brindando nos movimentos de seus corpos para além da banalização dos elementos que compõem o real e o simbólico desse universo.

“Como dizia Drummond, é o milagre de ser duas em uma, plenamente, e bunda é a bunda, redunda. E bem como viu Jean-Luc Henning em sua Breve história das nádegas, a bunda é barroca, sim: a bunda é barroca. Curva e plenitude”.

ficha técnica::

Concepção coreográfica :: Eduardo Severino e Luciano Tavares
Intérpretes|criadores :: Luciano Tavares, Eduardo Severino e Mônica Dantas
Trilha musical :: “Não me diga adeus” >> Aracy de Almeida || “Melô de piripiri” >> Gretchen.
Pesquisa musical:: Luciano Tavares
Mixagem :: Jorge Foques
Figurino e operações :: do elenco

TEMPOSTEPEGOQUEDELÍCIA

Trabalho que se desenvolve a partir de questões de gênero e sexualidade, Tempostepegoquedelícia se propõe a borrar as encarnações do feminino e do masculino, misturando marcadores de gênero e levando à cena sexualidades provisórias. Vestes hieráticas, mulheres com falo, homens em tubinho e decote sexy, coletes de pele, cueca e calcinha vermelhas e corpos nus interrogam, com humor, a falocracia que marca as relações interpessoais na cultura brasileira, e que acaba encontrando reflexo na nossa arte.  O trabalho quer oferecer ao espectador a oportunidade de desfrutar da ambiguidade da carne, sem receio de ser pego em flagrante delito de voyeurismo. O trabalho teve uma pré-estreia em abril de 2012 na Sala 209 na Usina do Gasômetro em Porto Alegre e estreia no dia 21 de abril de 2012 em Santiago/Chile no Festival Internacional de Artes Cênicas e Transdiciplinaridade/Fidet . Em Porto Alegre, inicia sua temporada em 30 de junho de 2012.

ficha técnica::

Concepção e coreografia :: Eduardo Severino

Direção Cênica :: Elcio Rossini e Eduardo Severino

Criadores Intérpretes :: Luciano Tavares e Mônica Dantas

Elementos Cênicos :: Élcio Rossini

Pesquisa musical :: Luciano Tavares

Mixagem :: Jorge Foques

Fotografia :: Laércio Sulczinski || Walter Fagundes

Arte gráfica :: Licia Arosteguy

Vídeo registro :: Luciana Paludo || Mônica Dantas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s