Intervenção urbana ‘mancha’ruas de Porto Alegre

Novo espetáculo de dança da Cia. Eduardo Severino reincide sobre a questão ambiental e convida o público para pensar sobre o tema

Arte: Adriana San Martin
Arte: Adriana San Martin

Tomando como espaço cênico cinco pontos no Centro Histórico de Porto Alegre, a Eduardo Severino Cia de Dança e artistas convidados estreiam, no período de 14 a 18 de outubro, às 10h, e de 21 a 25 de outubro, de segunda a sexta-feira, às 16h, o espetáculo Manchas Urbanas. O novo trabalho consiste em cinco coreografias solo que tem como mote a questão ambientalTemas como aquecimento global, reciclagem, matriz energética, consumismo, plastificação da beleza, tornados, entre outros, inspirame transformam-se em movimentos no corpo de cinco experientes bailarinos-coreógrafos: Eduardo Severino, Luciano Tavares, Luciana Paludo, Andreia Spolaor e Cibele Sastre, além do músico Leonardo Dias, que criou para c ada coreografia uma música original. O projeto foi financiado pelo Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural de Porto Alegre (Fumproarte).

Manchas Urbanas busca pesquisar e refletir sobre as consequências da ação do homem na natureza. O elemento de criação é representado pela movimentação gerada pelas sensações causadas no corpo em alusão ao fenômeno denominado Manchas Urbanas, representados pelas Ilhas de Calor, Inversões Térmicas e Enchentes Urbanas. Estas ilhas, localizadas nos grandes centros urbanos, provocam grande aquecimento, cujas consequências são a falta de oxigênio, a sensação de peso excessivo do corpo, entre outros problemas.

São cinco trabalhos solos, apresentados alternadamente, um a cada dia, de modo que todos os cinco dançarão nos cinco espaços/pontos em 10 dias de apresentações. A nova proposta pretende interferir no ir e vir cotidiano dos transeuntes, na paisagem urbana e na arquitetura da cidade, fazendo com que as pessoas reflitam acerca de sua responsabilidade em todo este processo, bem como na busca de soluções para a questão ambiental. Dentro desta proposta, o projeto prevê o plantio de duas mudas de arvore por apresentação, em um total de 20 árvores.

Os ­espaços a serem percorridos, serão: Estação Mercado do Trensurb (em frente ao Mercado Público Central); Rua Uruguai/Calçadão, entre à Rua José Montaurye Andradas; Galeria Chaves (térreo)/Andradas; Praça Otávio Rocha/Avenida Alberto Bins e Rua Senhor dos Passos; Rua Vigário José Inácio/Calçadão, entre Otávio Rocha e Avenida Voluntários da Pátria. “Queríamos usar o Centro Histórico porque é um espaço de grande circulação, um centro de consumo, de modo que fosse garantido ao público acesso total à dança, que ainda continua sendo uma arte elitista”, justifica o diretor.

Trajetória

Manchas Urbanas é o quinto trabalho de Eduardo Severino abordando a questão ambiental.  Antes, o bailarino e coreógrafo realizou: “Planetário” (2000), “Lixo, Lixo, Severino” (2002), Y’ kúà ’ o silenciar de um rio (2006) e “Linha de Convergência” (2010). Na linha da exploração do espaço urbano, ele cita “Glórias do Corpo” (2010), desenvolvido em ilhas esportivas.“Sempre fui movido por esta ideia”, explica. “Todos nós devemos fazer algo ou tentar fazer algo para que tenhamos melhor qualidade de vida. Meu instrumento é o corpo e uso a dança para falar destes problemas”, conclui o diretor. 

Ficha Técnica

Coordenação geral – Eduardo Severino

Concepção – Eduardo Severino e Luka Ibarra

Direção de Arte e adereços – Élcio Rossini

Coreógrafos/bailarinos – Andrea Spolaor, Cibele Sastre, Eduardo Severino, Luciana Paludo e Luciano Tavares.

Trilha musical/pesquisa – Leonardo Dias

Figurino – Elenco

Arte Gráfica – Adriana San Martin

Fotografia – Fabrício Simões

Assessoria de Imprensa – Silvia Abreu

Registro de imagens –  Filipe Severo

Produção Executiva – Luka Ibarra/ Ana Paula Reis

Elaboração de projeto – Luka Ibarra

Financiamento – Fumproarte

SERVIÇO

O quê: “Manchas Urbanas”. Apresentação do Coletivo de Dança formado por Andrea Spolaor, Cibele Sastre, Eduardo Severino, Luciana Paludo e Luciano Tavares + o músico Leonardo Dias

Quando: De 14 a 18 de outubro, às 10h, e de 21 a 25 de outubro, às 16h

Onde: Estação Mercado do Trensurb (em frente ao Mercado Público Central), Rua Uruguai/Calçadão entre Rua José Montaury x Andradas; Galeria Chaves (térreo)/Andradas; Praça Otávio Rocha/Av. Alberto Bins x Rua Senhor dos Passos; Rua Vigário José Inácio/Calçadão entre Otávio Rocha x Av. Voluntários da Pátria.

Quanto: Entrada franca.

Assessoria de Imprensa: Silvia Abreu (MTB 8507-0)

Fone: (51) 92772191 /85404114 – 07/10/2013